28 a 31 de Dezembro | CenasNatalícias | Rojava | MaxFernandes5 | MaxFernandes6

Todo o mês de Dezembro 
parede vermelha da livraria habitada
com

 R E T R O E X P E C T A T I V A 
colagens em capas de livros
de Helena Rocio Janeiro

 Nas quintas de Dezembro, Gato Vadio apresenta... 
cenas natalíciassempre pelas 21:30h!
 Quinta 28 de Dezembro, 21:30h 

Blackadder's Christmas Carol
(1988) / Richard Boden / 43min 
Depois de um espírito genial mostrar ao benevolente
Ebenezer Blackadder visões dos seus ancestrais sem escrúpulos,
ele resolve consertar tudo com os seus modos generosos.

 Sexta 29 de Dezembro, 18:00h 

 Nascidas da Urgência 
 Rostos da Luta contra o ISIS 

Doc + Conversa sobre Rojava e a Luta Internacionalista

Há quase quatro décadas que o movimento Kurdo começou a reivindicar independência como forma de resistência às políticas de opressão e colonização do Estado turco, que leva uma guerra aberta com o objetivo de apagar histórica e culturalmente um povo milenar. Este movimento nascido na tradição Marxista-Leninista, no inicio dos anos 2000 opera uma mudança ideológica. Passam então a propor um modelo de reconstrução de todo o sistema social, político e económico que possa reforçar os valores de horizontalidade na organização social, tentando assim abolir as relações de exploração dentro da sociedade kurda, apelando também à convivência inter-étnica e religiosa entre povos.
O modelo, intitulado de Confederalismo Democrático é fundado pelos povos Curdos, Árabes, Assírios, Caldeus, Arameus, Turcomanos, Arménios e Tchetchenos, em três cantões em Rojava – Norte da Síria. A criação baseia-se em três linhas centrais : ecologia, luta das mulheres e no Confederalismo como organização social constituída por comunas, assembleias municipais e regionais articuladas com cooperativas, academias e outras estruturas de auto-gestão democrática.
Rojava despertou, a (re)formação de um movimento internacionalista que têm apoiado a luta de libertação kurda. As brigadas internacionais que se encontrem desde o principio do conflito a combater ao lado YPG e YPJ, complementadas pelas brigadas civis que estão a apoiar a reconstrução de Rojava em articulação com os comités internacionalistas que difundem e a apoiam ao causa do povo povo kurdo nos quatro cantos do mundo.
Esta conversa pretende discutir as questões do internacionalismo no séc XXI e demonstrar através do exemplo prático de Rojava como se demonstra essa solidariedade internacional entre povos. Parece-nos importante uma reflexão coletiva para podermos imaginar modelos de emancipação social e de solidariedade internacional que além do apoio ao povo Kurdo possam imaginar novas formas de vida para além do capitalismo e do Estado com espaços organizados desde baixo e autónomos geradores de renovação social e de auto-determinação dos povos do mundo.

 Ciclo em torno da obra videográfica
 de Max Fernandes 

Projecção de vídeos e conversa com o artista

 Sexta 29 de Dezembro, 21:30h 

- "Saída", 2017
Falado em português / Substituição. - 15 min.

- "Escola", 2012-2015
Falado em português / Filme-Teatro do Oprimido construído a partir do grupo Rastilho e a defesa do espaço comunitário a funcionar no centro da vila.
O grupo apresentava-se assim:
“O Rastilho é um grupo espontâneo, informal e experimental, sem duração definida e sem fins lucrativos que tem por objectivo promover a cultura de produção colectiva, formado por Adelaide Guimarães, Adriana Prazeres, Alexandre Moreira, Amanda Midori, Carla Costa, Carla Cruz, Eduarda Costa, Fernanda Assunção, Margarida Moreira, M. Albina Leite, M. Elisa Ferreira, M. Fernanda Freitas, M. Goretti Esteves, M. de Lurdes Oliveira, M. José Novais, Max Fernandes, Tomás Lemos, e todos os que vierem a contribuir para o desenvolvimento das suas actividades.
Fruto de um processo de criação artística colectiva iniciado por Carla Cruz junto de um grupo já constituído – o Tecer Outras Coisas e mais alguns amigos e parceiros – o Rastilho nasce de uma vontade comum de expandir para a comunidade e para o espaço público as suas preocupações. Para as suas actividades, o grupo dá uso à Escola Primária do Bairro em Pevidém, na qual as duas salas de aulas do rés-do-chão – vazias desde que em 2010 as crianças foram transferidas para um novo pólo com melhores condições e recursos – são agora novamente preenchidas com actividades ligadas à aprendizagem, troca de conhecimentos e produção de saberes e cultura. O espaço habitado na Escola é de gestão comunitária, e foi idealizado e posto em marcha por este grupo inicial. De uso polivalente, o espaço modifica-se à medida das actividades programadas e espontâneas. Há, no entanto, que realçar que o Rastilho não é o espaço, é o grupo; é o movimento que vai de um para o outro, que procura compreender e partilhar.
A Escola estará aberta ao público em geral enquanto participante e produtor de actividades culturais num ambiente descontraído e de respeito por todos os seres e o meio ambiente.”
63 min.
-
Conversa

 Sábado 30 de Dezembro, 17:30h 

- "Narciso de todas as espécies", 2017
Falado em português
Lago turvo: espécies e acontecimentos que revelam transformações na cidade.
90 min.
-
Conversa

BOCA na nossa livraria!

À livraria chegaram finalmente os audiolivros da
BOCA - palavras que alimentam, Lda

 I s t o  é  u m a  c o c r i a ç ã o ! 
 Antimanual de educação artística  
 na infância 

Grupo 23: silêncio! e convidados
TEXTOS Ágata Mandillo, Alice Silva, Ana Sofia Sequeira, Bárbara Ramires, Catarina Saraiva, Cláudia Galhós, Fátima Fabião, Filomena Araújo, Helena Araújo, Jasmim Mandillo, Joana Carreira, Joana Sanmarful, João Paulo Esteves da Silva, Laura Guerreiro, Madalena Victorino, Manuel Tamen Caiado, Margarida Ferra, Marta Tomé, Miguel Fabião, Nuno Nogueira, Pedro Silva, Rita Pedro, Rute Prates, Sandra Pina, Sílvia Real, Vasco Sequeira, Vicente Araújo Magalhães
ILUSTRAÇÕES David Faria, David Silva, Diogo Gonçalves, Filomena Araújo, Helena Araújo, Jasmim Mandillo, João Bizarro, Laura Guerreiro, Nuno Pelágio, Paulo Sérgio BEJu, Sofia Pelágio, Vasco Sequeira
FOTO-REPORTAGEM Marta Araújo e Marcos Magalhães
FOTOGRAFIAS Dina Rito (DR), 

 T r e s m a l h a d o s 
 Maria Morais 

TEXTO E ILUSTRAÇÕES Maria Morais
NARRAÇÃO Carlos Marques e Maria Morais
INTERPRETAÇÃO Carlos Marques, Maria Morais, Mariana Abrunheiro, Nuno Morão e Susana Cecílio. Abertura por Fernando Alves
MÚSICA E IMPROVISAÇÕES Carlos Marques (voz e guitarra), Maria Morais (voz), Mariana Abrunheiro (voz), Nuno Morão (percussão e demais instrumentos) e Susana Cecílio (voz)
BOCA – Palavras que alimentam apresenta "Tresmalhados", a primeira áudio-peça de Teatro Rural jamais exibida em Portugal e no estrangeiro, na qual uma fabulosa equipa de gente tresmalhada dá vida, corpo e voz a mais de duas dezenas de personagens, também elas um pouco enfim...
Tresmalhados é o 5º título da secção “BOCA Júnior” e o 2º da colecção de teatro “Boca de Cena”. 

21 a 23 de Dezembro | FilosofiasMarginais | CenasNatalícias | Gravidez | MaxFernandes3 | MaxFernandes4

Todo o mês de Dezembro 
parede vermelha da livraria habitada
com

 R E T R O E X P E C T A T I V A 
colagens em capas de livros
de Helena Rocio Janeiro

 Quinta 21 de Dezembro, 19:00h 
segundo encontro
  Fórum Filosofias Marginais  
o autor vai ser o Lanza del Vasto;
repete numa quinta-feira do mês

 Nas quintas de Dezembro, Gato Vadio apresenta... 
cenas natalíciassempre pelas 21:30h!
 Quinta 21 de Dezembro, 21:30h 

O Estranho Mundo de Jack 
(The Nightmare Before Christmas) (
1993) ​
 Henry Selick ​/  1h 16min ​

Jack Skellington, rei da Cidade do Dia das Bruxas, descobre 
​a ​Cidade do Natal, mas as​ suas tentativas de trazer o Natal para a​ sua casa causam ​grande​ confusão.

 Sexta 22 de Dezembro, 18:00h 

Apresentação do livro 
Gravidez uma novela gráfica da autoria de Júlia Barata
da Tigre de Papel

Uma breve sinopse do livro, por Maria Condado:
«Júlia Barata tornou-se mãe e deu à luz o livro Gravidez. Esta é a sua história rumo à maternidade, uma aventura intercontinental onde se desenham várias cidades, pessoas, espaços e encontros. Entre a festa e a melancolia, Gravidez é um relato de uma geração. Júlia Barata, no seu tom cómico punk, partilha connosco o fluxo da sua consciência. Os seus desenhos, feitos catarse a preto e branco, são engenhosos. Aqui tudo tem a escala da verdade, e saber-se desenhar assim é um dom.»

 Ciclo em torno da obra videográfica
 de Max Fernandes 

Projecção de vídeos e conversa com o artista

 Sexta 22 de Dezembro, 21:30h 

 - "Artista puxa artista no bidão azul", 2011
Vídeo-performance / 3min.

- "O Artista Enganchado – Artista Puxa Artista Para Debaixo da Ponte", 2011
Vídeo-performance / 14min.

- "Sem título (água de ontem lama de hoje #1)", 2011
Vídeo-performance / 14min.

- "Lama na praça", 2011
Vídeo-performance / 9min.

- "O Couro e a Praça", 2012
Vídeo-performance / 16min.

- "Libertação", 2014
Texto em português / 4min.

Conversa

 Sábado 23 de Dezembro, 17:30h 

- "Caldeiroa", 2014
Texto em português
Vídeo-investigação do espírito da fábrica onde funcionava o atelier / 22min.

- "Dança", 2016
Vídeo-performance
A Faty com a pintura e a bateria. / 5min.

- "Gostava que o filme fosse mais manual", 2016
Falado em português /  Vídeo-performance / 20min.

- "Yo me quería suicidar", 2015
Falado em galego e escrito em português
Pistola, tiros e cinema. / 12min.

Conversa

 Domingo 24 de Dezembro 
Desculpem... não abrimos. /// Sorry... we're closed.



Agendas.... na nossa livraria

A Foice de Prata - Agenda Lunar 2018

A Foice de Prata é uma agenda feita LOCALMENTE com PAPEL RECICLADO PORTUGUÊS e materiais maioritariamente de origem nacional.
As suas características:
- tamanho A6 (edição de bolso),
- 192 páginas,
- encadernação de argolas,
- impressão offset em papel 100% reciclado português
- capa rígida e resistente, este ano cor amarelo girassol no exterior e verde Minho no interior
- informação astrológica diária sobre a Lua: fases da Lua, Lua para a agricultura, a conjunção da Lua com os planetas, algumas estrelas e nebulosas; Apogeu e Perigeu lunar, etc,
- NOVIDADE pela primeira vez com os dados de MERCÚRIO RETRÓGADO,
- espaço para escrever planos, sonhos, reflexões, desabafos e o que quiseres.
Tem alguns poemas, ilustrações, imagens, textos e as informações de sempre: a Lua, a Roda do Ano e as oito festividades, sintonização com os ritmos lunares para cuidares da horta e do corpo e muito mais.

Axenda feminista 2018
activistas galegas

O Observatorio da Mariña pola Igualdade vén de publicar a edición 2018 da súa Axenda Feminista, que chega á súa oitava entrega. Este ano está dedicada ás mulleres activistas galegas.
O Observatorio da Mariña pola Igualdade celebra este ano o seu décimo aniversario, desenvolvendo un labor moi importante, enfocando a realidade da súa comarca dende unha perspectiva de xénero, dando a coñecer as problemáticas que afectan de forma específica ás mulleres da Mariña, e poñendo en marcha numerosas actividades para contribuír dende o nivel local a acadar unha sociedade máis igualitaria. "O Observatorio axita moito: movemos e remexemos alicerces que parecen estáticos e que non se discuten", destaca Ferreiro, que pon como exemplo a campaña que hai dous anos realizaron contra a elección da Raíña das Festas en Burela.

15 a 17 de Dezembro | CenasNatalícias | Poente | VirgílioMelo | Matinée

há mais de 6 anos
 Saco de Gatos 
 Associação Cultural e Espaço de Intervenção Social 
Bookshop - Coffee Bar
for tramps   pour amoureux
fur auslander   para aburridos
per revoltati   at forstyrre
para gente de todos os lugares

 Passa a palavra! 

Torna-te Gat@, faz-te Vadi@

 Todo o mês de Dezembro 
parede vermelha da livraria habitada
com

 R E T R O E X P E C T A T I V A 
colagens em capas de livros
de Helena Rocio Janeiro

 Nas quintas de Dezembro, Gato Vadio apresenta... 
cenas natalíciassempre com entrada livre!
 Quinta 14 de Dezembro, 21:30h 

Carbúnculo Azul 
(
The Blue Carbuncle)  
Sherlock Holmes (1964–1968) / 49min 
Depois de Holmes recusar a imperiosa exigência de Lady Morcar de que ele a ajude a localizar um carbúnculo azul roubado, a gema aparece num ganso de Natal.

 Sexta 15 de Dezembro, 21:30h 
P O E N T E  DE ROUXINÓIS CANTORES,
9 canções para guitarra
 

 concerto de Eduardo Soares

 

Poente de rouxinóis cantores é um conjunto de canções originais para guitarra clássica compostas entre 2009 e 2015. O título remete para um soneto de García Lorca, a música é inspirada pelo chão comum da música ibérica. Na gravação do projecto foi utilizado um instrumento da escola de construção madrilena do início do século XX de artesão anónimo e um instrumento construído por Alfredo Teixeira em 2015.

Eduardo Baltar Soares
guitarrista diplomado pelo Conservatório Superior de Música de Castilla y León, licenciado em História pela Universidade do Porto e mestre em ensino da Música pela Universidade do Minho.
interessado na expressão musical enquanto forma de intervenção artística e comunitária procura cruzar o seu trabalho com diversas formas de arte como a literatura, pintura, dança e teatro. Dessa forma, colabora como intérprete ou criador de diversos projectos artísticos, oficinas e investigações interdisciplinares em toda a Europa. 

 Sábado 16 de Dezembro, 17:00h 

Nesta sessão das Audições Comentadas,
o compositor, professor e musicógrafo

 Virgílio Melo apresenta Hector Berlioz.

 Domingo 17 de Dezembro, 18:00h 

Matinée de domingo com repetição de uma quinta do mês anterior...
(para quem não pode estar ou para quem quer repetir)

O Tempo que Resta 
(Le temps qui reste) / Melvil Poupaud / 2005 / 1h17m 
Romail é um jovem fotógrafo de moda. Com um apartamento moderno, uma relação estável e uma carreira em ascensão, nada parece faltar-lhe. Até que, durante uma sessão de fotografia, desmaia subitamente.Os receios de ter contraído SIDA são ensombrados por um diagnóstico ainda mais brutal: um cancro em fase avançada e terminal.