---


Associação Cultural e Espaço de Intervenção Social
Saco de Gatos vai encerrar no dia 31 de Março de 2019 porque:

  • 1° A senhoria, ao fim de 12 anos, comunicou por carta que não quer renovar o contrato de arrendamento (posteriores contactos foram em termos incomportáveis);
  • 2° A Associação entende que não faz sentido existir noutro espaço e que o fim deste (Gato Vadio) será o fim da mesma;
  • 3° A Câmara Municipal não tem uma política séria e activa de protecção dos habitantes, das associações e de outros actores da cidade que querem viver no centro - entre os turistas.

06 a 09 de Dezembro | CenasAvulsas | PrimitiveReason | Flanzine | FICCA

 Gato Vadio 
Nascido em Abril 2007
fechará portas em Abril 2019
ou resistirá até 31 de Dezembro 2019?


Neste momento é urgente reduzir o conteúdo das prateleiras da livraria daí a tentadora
Campanha Especial 2018
Campanha de Encerramento

 com horário alargado 

A nossa Livraria  

 está bem recheada com livros de boas,
pequenas e grandes  editoras: 


 7nós &etc afrontamento alambique alikornio ediciones alma azul 
 antígona antipáticas apuro atelier de composição averno 
 barca do inferno barricada de livros bicicleta boca 
 cambalache chão da feira chili com carne  companhia das ilhas
 dafne deriva dois dias edições douda correria edições mortas 
 europress exclamação fenda flan frenesi helastre
 ígneos ignota in a poem nada não edições letra livre 
 livros de bordo lógos montag momo orfeu negro 
 pé de mosca pianola sempre-em-pé sistema solar
 subterrâneas texto sentido tigre de papel unipop 


(campanha não abrange os livros editados em 2018)

 NOVO HORÁRIO 


quartas 14:30 - 20:30h
quintas e sextas 14:30h - 24:00h
sábados e domingos - 17:00 - 24:00h
Nas quintas de Dezembro, Vadios apresentam Cenas Avulsas,
sempre pelas 21:30h, sempre com entrada livre.
 Quinta 06 de Dezembro, 21:30h  

O Soldado das Sombras  (1963) 
Jean-Luc Godard 1h 28min
Um desertor francês alista-se num grupo de extrema-direita suíço, do qual mais tarde tenta fugir por amor de uma mulher.
Um dos mais polémicos filmes de Godard, acusado à época de "fascismo" por parte da esquerda oficial e proibido em França durante três anos, devido às muitas alusões à Guerra da Argélia, então no auge
(nomeadamente uma longa e célebre cena de tortura).

 De 07 a 31 de Dezembro 
Parede vermelha da livraria habitada por
"primitive reason" ou "a razão antes das coisas"

fotos de Rui Apolinário
 inaugura com conversa dia 07 às 21:30h

 Primitive reason ou a razão antes das coisas 

“Não somos nós que decidimos a forma das coisas, mas são as coisas em nós que decidem a sua forma”                                                                                                        B. Espinosa 

  Regresso inúmeras vezes a um mesmo lugar. Tantas são as vezes que o mundo chega a caber numa deambulação claustrofóbica de idas e voltas onde a “casa” passa a ser lugar indistinto.   Anula-se a nomeação interior/exterior para se reconstruir a inicial coincidência entre o sentimento e o que a vista alcança. Momento único e extraordinário esse em que me esqueço de razões para partir com e pelas imagens, sobretudo as fotográficas! E elas já lá estão nesse lugar, antecipando-se à presença do meu corpo, à minha visão e ao que eu pensei ou possa vir a pensar. Mesmo na temporária ausência ou na involuntária distância, está lá o mar e a sua (im)possível infinitude que se desfaz perpetuamente na areia da praia; está lá uma miríade de pegadas, quais esboços de fugas perante a inconsciente completude do mar e a desconcertante fragilidade de um emaranhado vegetal/visceral...sentimentos tão díspares quanto “primeiros” que não procuram qualquer tipo de legitimação a não ser a que decorre da arritmia do(s) espaço(s) e do fulgor de um único horizonte.

Rui Apolinário, Agosto de 2018

 Sábado 08 de Dezembro, 17:30h 
João Pedro Azul convida todo o mundo para a apresentação do 
Flanzine nr 18 - FIM  
CAPA: TINA SIUDA                DESIGN: LINA&NANDO 
com:
ALEX GOZBLAU . JOÃO PEDRO AZUL . ALÍPIO PADILHA . AFONSO CRUZ . JUAN PABLO MEDINA . ANTÓNIO DE CASTRO CAEIRO . CLÁUDIA ALVES . RUI SILVARES . MARIANA BASÍLIO . INÊS FLOR . MANUELA PIMENTEL . INÊS LAGO . LILIANA S. RIBEIRO . LILIANA BERNARDO . SÓNIA BAPTISTA . RUI VITORINO SANTOS . SARA F. COSTA . MARIANA MOURATO . ADRIANA CORREIA OLIVEIRA . PEDRO LÚCIO . SOFIA MARQUES FERREIRA . JOSÉ RICARDO NUNES . NELSON D’AIRES . SÉRGIO MORAIS . FILIPA MARTINS . MARIANA MALHÃO . JORGE AGUIAR OLIVEIRA . BERNARDO GUERRA MACHADO . ALEXANDRE NOBRE . FERNANDO MORA RAMOS . MARCO SILVA DIAS . KARINA JEPPESEN . JAS . JOÃO RIOS . BRUNO BORGES . FILIPE MARQUES . TIAGO MATEUS . FILIPE SILVA . CECÍLIA CORUJO . LIV LAGERBLAD . PEDRO BRAGA FALCÃO . JOANA BARROS . LUIS CARMELO . MAG RODRIGUES . SARA ROCIO . RITA PITSCHIELLER PUPO . LUCA ARGEL . VASCO GARGALO . BÁRBARA FONTE . PEDRO STATTMILLER . PATRÍCIA GERALDES . JOSÉ ANJOS . BEATRIZ BAGULHO . LÍGIA SOARES . BÁRBARA CAMILA EUSÉBIO . HUGO MEZENA . BEATRIZ DE ALMEIDA RODRIGUES . LUÍS NORA . JOANA BÉRTHOLO . GABRIELA GOMES . SARA MACEDO . DANIEL MAIA-PINTO RODRIGUES 

 Sábado 08 de Dezembro, 21:30h 

Divulgação do IV FICCA,
pelo seu curador, o poeta e realizador Francisco Weyl,
com leituras de poemas e projecções de filmes.


SOBRE O FICCA
O Festival Internacional de Cinema do Caeté – FICCA, terá a sua quarta edição sediada na Escola Superior Artística do Porto, que recebe e apoia o evento, idealizado e organizado por Francisco Weyl, cidadão brasileiro formado pela Instituição (2001). O certame decorrerá entre os dias 10 e 12 de Dezembro de 2018, no auditório da ESAP, com extensões em Cabo Verde, e Brasil. O IV FICCA irá premiar Melhor Longa (Acima de 60 minutos); Melhor Média (Entre 20 e 60 minutos); Melhor Curta (Menos de 20 minutos); Melhor Documentário (Livre temática e tempo). Além destas categorias, o FICCA atribuirá o Prêmio Juri Popular; Prêmio Especial; Prêmio Educação & Pesquisa; e o Grande Prêmio FICCA de direitos Humanos.
Em três anos de atividades (2014/2015/2016), o FICCA ajudou a consolidar a cultura cineclubista e cinematográfica, a partir de uma perspectiva democrática, e de um olhar crítico sobre o cinema.
Práxis de resistência cultural, independente, nas áreas urbana e rural, recebeu inscrição de 144 filmes, nos seus três anos, entretanto, o FICCA não foi realizado em 2017, por falta de apoio Institucional no Município de Bragança do Pará. Este ano de 2018, foram cerca de 60 filmes inscritos, 19 dos quais a participar das Mostras Competitivas e Não-Competitivas.

 pequena mostra da livraria,
com gata que nos adoptou:
 

Sem comentários:

Enviar um comentário