Ciclo de debates, documentários e poesia

Contra a Guerra, Contra a NATO


O espaço de questionamento crítico da NATO e das estratégias político-militares dos Estados que apoiam a guerra desvaneceu-se dos meios de informação e praticamente desapareceu da sociedade civil. O que resta da “democracia” é a possibilidade desse espaço crítico voltar a crescer.

A livraria independente Gato Vadio procura com o ciclo que propõe trazer à superfície a análise e os argumentos daqueles que contestam a política da guerra, a NATO e o seu novo conceito estratégico, em foco na Cimeira de Lisboa.




("clicar" no cartaz para ver programa completo)

1 comentário:

  1. Juntamente com o texto do R. Noronha, o melhor retrato dos acontecimentos de Sábado. Um dia infame em que a tradicional autofagia da esquerda portuguesa roçou o ridículo, e em que os controleiros do CCCP fizeram uma espécie de novo pacto germano-soviético, quer com a polícia, quer com os capangas patriotas que asseguravam a ordem.
    Se nem numa acção claramente ANTI se consegue o mínimo de união, quando chegar a hora dos Prós, se algum dia chegar (a esquerda vai trabalhando para que isso Não aconteça), como vai ser?
    Carago pá! Lembrem-se da Republica espanhola porra, em que até anarquistas havia no governo! E mesmo assim, perdeu-se a guerra.
    O que raio pretende a esquerda com isto, que não seja perpetuar os seus nichos de mercado, palavra tão em voga e tão odiada? A que trabalhador servem estas mesquinhices? O que se conseguiu com isto desde o 25 de Abril que não seja unicamente o diminuir da esperança num mundo melhor?
    Isto, na maior crise do capitalismo, fdx!

    ResponderEliminar