“Vida Extenuada”, de Fátima Maldonado - Sessão de Poesia, Domingo, 21 Setembro


Capa de Maja Marek



“Alguns não os víamos há anos
faziam parte da nossa mais salubre
juventude
no trabalho ainda havia escape
no amor ainda havia perigo
banquetes celebravam extorsões
compromissos sagrados aluíam
amores mais indeléveis
sucumbiam aos uivos
nas coutadas
frente à horda não havia defesa
aquele vírus jovem não cedia
pisava ameaças ignorava apelos
qualquer moderação nos parecia funesta.
(…)Os poucos resistentes engordaram
sofrem do coração bebem cerveja
têm a pasta surrada de desgostos
outros alistam-se na cave do comércio
mirram no pó as caudas abanadas
à cintura as facas do açougue,
sabujos escrevem coisas irrisórias
enquanto a terra se torna combustível.”
“Campo de Refugiados”, Fátima Maldonado




“O corpo não responde
às vozes de comando,
como um cão estropiado
já desdenha os apelos
os antigos convites
às funestas moradas,
esqueceu-se do ponto
vai olvidando senhas
os códigos das grutas
acumulando lixos
as servidões austeras
diluem-se num canto
o corpo não atende chamadas
não estremece ao ruído da chave
não suporta
qualquer intromissão
secou num aterro,
os restos à vista
a memória escava
da lembrança os rastos
avidamente suga
de tal fausto os ossos,
de tão vitais cerimónias
nos tão secretos barcos
mesmo o pouco que resta
ainda se mastiga.”
“Cerimónia Funesta”, Fátima Maldonado



Capa de “Vida Extenuada” criada por Maja Marek.
A apresentação contará com a presença de ambas.



Apresentação e Leitura de Poemas de “Vida Extenuada”, de Fátima Maldonado.
Domingo, 21 de Setembro, 18h.
Poemas lidos por Nuno Meireles
Gato Vadio

Sem comentários:

Enviar um comentário