A Gato Vadio está com o Es.Col.A.

[O capitalismo] não é um êxito. Não é inteligente, não é bonito, não é justo, não é virtuoso – e não dá os bens. Em suma, não nos agrada, e começamos a desprezá-lo. Mas quando nos pomos a imaginar o que pôr no seu lugar, ficamos extremamente perplexos. 
– John Keynes
Nas palavras deste insuspeito economista, escritas em 1933, vem a pergunta que muitos fazem quando, por um lado, cada vez mais uma maioria percebe que o capitalismo (assim como a democracia liberal) é um cadáver e, por outro, quando não temos resposta sobre o que há-de vir.

Com o projecto da Es.Col.A da Fontinha perdem-se razões e motivos para ficarmos perplexos. Quem se põe a imaginar o que se deve pôr no lugar do capitalismo, já não tem desculpa para ficar pasmado... e este exemplo é mesmo aqui ao lado, bem perto das tuas andanças...

Passa lá, anda.

A Gato Vadio está com a Es.col.a da Fontinha!
Face ás recentes informações sob o risco de despejo, o Es.Col.A redigiu a carta aberta abaixo a expor o sucedido. Apelamos à vossa colaboração para divulgar o projeto Es.Col.A e lutar contra esta vontade da CMP em sepultar algo tão bonito! O abaixo-assinado aceita subscrições!

CARTA ABERTA 
Face à intenção da Câmara Municipal do Porto de desalojar o projeto Es.Col.A. – Espaço Coletivo Autogestionado do Alto da Fontinha, declara-se o seguinte:

Devoluta e em degradação durante mais de cinco anos, a antiga escola do Alto da Fontinha foi ocupada a 10 de abril de 2011 com o propósito de devolver ao bairro o espaço público abandonado. O gesto desde logo atraiu simpatizantes e reuniu um grupo crescente de voluntários/as, movidos/as pela ideia de criar um projeto de dinamização social e cultural, autónomo de subsidios financeiros, autogestionado, construído com e para a população local.

O equipamento começou a ser recuperado e iniciaram-se atividades várias. Um mês depois, a 10 de maio, um enorme dispositivo policial despejou, violentamente e sem prévio aviso, o que começava a ser um projeto comunitário. A mando da autarquia, o edíficio voltou a ser emparedado e assim permaneceu mais de dois meses, até que, perante uma forte mobilização popular, a Câmara Municipal do Porto se comprometeu a ceder o equipamento ao Es.Col.A, começando por assinar, a 25 de julho, um contrato de promessa, que, 40 dias úteis depois, deveria dar lugar a um contrato de cedência.

O projeto regressou então ao edifício da ex-escola primária do Alto da Fontinha, procurando progressivamente dar resposta às necessidades reais locais, da alfabetização ao apoio educativo, passando pela música, pintura, xadrez, ioga, capoeira, etc., proporcionando um lugar de convívio, com cozinha comunitária, cicloficina, biblioteca, acesso à internet, teatro, cinema.

Passaram-se sete meses desde a reocupação e a Câmara Municipal do Porto não moveu qualquer tentativa de aproximação ao projecto e ao bairro. Ignorou, inclusive, a assinatura do contrato de cedência, apesar do Es.Col.A ter cumprido os requisitos, nos prazos estipulados. Eis senão quando se torna pública a intenção da autarquia de despejar o Es.Col.A no final de março, destruindo, desta forma, todo o trabalho comunitário que o projeto vem desenvolvendo.

Perante a intenção da Câmara Municipal do Porto, caracterizada pelo desprezo e pela distância em relação às pessoas, ao próprio projeto e à cidade que deveria servir, resta-nos dizer que não aceitamos a legitimidade do despejo anunciado. O Es.Col.A. pretende continuar a ocupar o espaço e a desenvolver as atividades que tem em curso, mantendo o princípio de estrutura independente, longe de lógicas partidárias e comerciais, autogerido e absolutamente autossustentável, livre de hierarquias e com decisões tomadas por consenso em assembleia, que o define desde o início.

SEJA BEM VINDO QUEM VIER POR BEM!

Es.Col.A. do Alto da Fontinha
Rua da Fábrica Social, 17
escoladafontinha.blogspot.com 
es.col.a.da.fontinha@gmail.com 

Porto, 18 de fevereiro de 2012


Sem comentários:

Enviar um comentário