...

10 Tácticas para transformar informação em acção

Documentário

Quinta-feira, 16 de Julho, 22.15

Entrada Livre + oferta do manual activista "10 Tactics" e do guia "Civilian's guide to Direct Action"

Vivemos numa situação paradoxal. Nunca em Portugal e na Europa, as forças de repressão foram aparentemente tão débeis, mas nunca as massas exploradas foram tão passivas. A qualquer gesto austero por parte das elites governantes em nome da orientação financeira mercantil, responde-se com uma completa inacção, própria de uma consciência facilmente moldável ao entretenimento de massas. Ainda assim, a consciência insurreccional sempre dorme com um olho aberto. A arrogância, incompetência e impotência das classes governantes acabarão finalmente por um dia despertá-la do seu sono.

Posto isto, a acção gratuita é a única arma capaz de uma absoluta ruptura com a poderosa máquina de auto-destruição desencadeada pela sociedade de consumo, que prescreve a linha de base da mentalidade submissa à cobiça, ao ganho financeiro, ao lucro e a predação.





“10 tácticas para transformar informação em acção", documentário do colectivo Tactical Tech, explora o uso de tecnologias e plataformas dos mass media, como o Google Earth, Twitter e Facebook, em defesa dos direitos humanos no mundo em desenvolvimento.

Este documentário fornece maneiras originais e engenhosas usando ferramentas, dicas e conselhos para os defensores dos direitos humanos capturarem a atenção e comunicarem uma causa. O filme traz histórias de 25 organizações defensoras dos direitos humanos ao redor do mundo que usaram com sucesso as informações e as tecnologias digitais para criar mudanças positivas. Isso inclui a história de Noha Atef, cujo blog TortureinEgypt.net levou à libertação de prisioneiros ilegalmente detidos no Egipto. Na Índia, Dina Mehta explica como ela fez parte de um grupo online que usou o Twitter para conseguir doadores de sangue e outros apoios essenciais para os hospitais durante os ataques terroristas em Mumbai. Ou a organização popular na Birmânia que recorreu a blogs para escapar à censura da junta militar e através da fotografia e do video divulgar os abusos dos direitos humanos.

A ascensão das tecnologias e da popularidade crescente do nível de usuário de ferramentas e serviços têm sido importantes para as comunidades marginalizadas, porque elas criam mais oportunidades para a auto-publicação e partilha de informações dinâmicas. Elas são importantes para os defensores dos direitos permitindo a abertura de novos canais de divulgação e desenvolvimento de técnicas para a luta. A proliferação dos telemóveis abre também novas oportunidades para a organização e mobilização em maneiras que eram inimagináveis. Como cada uma dessas tecnologias é tomada, elas tornam-se cada vez mais entrelaçadas: telemóveis que comunicam com websites; sites que se tornam estações de rádio. O mundo real e o mundo online em interconexão.

Assim como cada nova tecnologia tem o potencial de trazer novas oportunidades e liberdades, também apresentam novos desafios, dificuldades e formas de repressão, através de novas formas de censura e ameaças à privacidade. Esta questão é extremamente importante para os activistas que lidam com informações sensíveis em ambientes hostis e para as comunidades marginalizadas para os quais a tecnologia pode ser uma "faca de dois gumes", pois carrega o duplo potencial de libertar e depois marginalizar.

As pessoas devem ser capazes de agir sobre questões que afectam as suas vidas, elas devem ter acesso a informações precisas e aos meios e à liberdade para responder a esta informação. Infelizmente, isso nem sempre é o caso. Indivíduos, especialmente os de comunidades marginalizadas, muitas vezes não dispõem dos meios para acederem e criarem informação. Aqui fica registado a participação limite, em muitas regiões do mundo, dessas comunidades marginalizadas.


Sem comentários:

Enviar um comentário