...

To Shoot an Elephant

Alberto Arce, Mohammad Rujailah

Médio-Oriente – Ciclo de Documentários

quinta-feira, 1 de Julho, 22h15


Mais um documentário inédito a passar no Gato Vadio!


"... Depois, é claro, houve discussões intermináveis sobre a matança do elefante. O proprietário ficou furioso, mas ele era apenas um indiano e não podia fazer nada. Além disso, legalmente eu tinha feito a coisa certa, porque um elefante louco tem de ser morto, como um cão louco, se o proprietário falha em o controlar".

No seu livro "Shooting an elephant", George Orwell definiu uma forma de testemunhar a Ásia, que ainda permanece válida.
"To Shoot an Elephant" é um relato de testemunha ocular da Faixa de Gaza durante a Operação Chumbo Fundido, iniciada no dia 27 Dezembro de 2008 e que durou 21 dias a matar elefantes.

A população da Faixa de Gaza tem estado sob cerco, desde Junho de 2007, quando Israel a declarou "entidade inimiga". Desde então, um grupo de activistas internacionais organizaram um movimento de contestação, o Free Gaza Movement. Graças aos seus esforços, e apesar da proibição israelita da entrada de correspondentes estrangeiros e trabalhadores da ajuda humanitária para cobrir e testemunhar a "Operação Chumbo Fundido", um grupo de voluntários internacionais: auto-membros organizados do Movimento de Solidariedade Internacional estiveram presentes em Gaza, quando o bombardeamentos começaram em dezembro de 2008. Juntamente com dois correspondentes internacionais da Al Jazeera International (Ayman Mohyeldin e Sherine Tadros), eles foram os únicos estrangeiros que conseguiram escrever, filmar e relatar para as várias estações de rádio o que estava a acontecer dentro da faixa palestiniana sitiada.






Premiado este ano no Festival dei Popoli, Florença. “Most Innovative Filmmaker” at Florence’s Festival dei Popoli.


Desumano, insano e sujo, "To Shoot an Elephant" é um retrato feito a partir de imagens arrepiantes dos únicos estrangeiros que decidiram e conseguiram ficar com os civis palestinos barricados dentro de ambulâncias na Faixa de Gaza.
A cada cadáver de uma criança palestiniana deixada na morgue, devia de ser pão que alimenta os sentimentos de culpabilidade daqueles que fazem a propaganda israelita, dos que respiram no silêncio e daqueles que têm o poder para fazer alguma coisa e nada fazem.


2009
104 min
Alberto Arce, Mohammad Rujailah



Sem comentários:

Enviar um comentário