Fazer a Ponte – projecto educativo da Escola da Ponte

Apresentação e debate com a presença de membros da Escola da Ponte

Quinta-feira, dia 4 de Fevereiro, 21h30

Gato Vadio



No passado domingo, a mais alta figura do Estado, ele próprio representante da democracia em que vivemos, reclamou da necessidade de plantarmos “a semente de um novo espírito de cidadania”. Falou também em “virtude da política democrática”. A 30 km do palco que serviu de base a mais um discurso de retórica, vivem e estudam 175 crianças, com idades entre os 5 e os 16 anos, que dariam uma lição sobre o que é a virtude real da democracia quando ela é realmente vivida e experimentada por todos num processo colectivo. Falamos das crianças que fazem a Escola da Ponte. Nenhum outro projecto escolar conhecido plantou tão duradouramente em Portugal “a semente de um novo espírito de cidadania” como a Escola de Vila das Aves. Onde estão as outras pontes pelas escolas do país? Por que razão não se plantam mais pontes na rede educativa?


A convite da Gato Vadio, a Escola da Ponte virá apresentar o seu projecto educativo e ajudar-nos a responder a algumas perguntas.

Um só exemplo deveria chegar para acabar com tanta retórica? Ou nós, sociedade, alunos e professores, temos medo da democracia e preferimos antes uma pálida representação dela?


A Escola da Ponte foi fundada em 1976. Encontra-se numa área aberta em Vila das Aves. Os alunos formam grupos heterogéneos, não estando classificados, agrupados ou distribuídos por turmas nem por anos de escolaridade que, na prática, não existem. Não há salas de aula mas sim espaços de trabalho, onde não existem lugares fixos. Essa subdivisão foi substituída, com vantagens, pelo trabalho em grupo heterogéneo de alunos. Do mesmo modo, não há um professor encarregado de uma turma ou orientador de um grupo; em vez disso, todos os alunos trabalham com todos os orientadores educativos.

Dos princípios fundadores que orientam a escola e todos aqueles que dela fazem parte, salientamos dois:

“A intencionalidade educativa que serve de referencial ao projecto Fazer a Ponte orienta-se no sentido da formação de pessoas e cidadãos cada vez mais cultos, autónomos, responsáveis e solidários e democraticamente comprometidos na construção de um destino colectivo e de um projecto de sociedade que potenciem a afirmação das mais nobres e elevadas qualidades de cada ser humano.”

“A Escola não é uma mera soma de parceiros hieraticamente justapostos, recursos quase

sempre precários e actividades ritualizadas – é uma formação social em interacção com o meio envolvente e outras formações sociais, em que permanentemente convergem processos de mudança desejada e reflectida.”

Por sugestão da Escola da Ponte, pedimos às pessoas interessadas que enviem via email questões que gostassem de ver respondidas no dia da apresentação. Como o tempo não chegará para tudo, pensemos já em organizar uma visita à escola, visita, como habitualmente, guiada pelos alunos.


Sem comentários:

Enviar um comentário