Poesia – Chalupa
Domingo, dia 11 de Outubro, 17h30

Satã, assim relegado para uma condição vagabunda, errante, instável, não tem paradeiro certo: pois embora possua, em consequência da sua natureza angélica, uma espécie de império sobre os desertos líquidos e os ares, faz certamente parte do seu castigo que ele não disponha... de qualquer lugar ou espaço físico onde descanse a planta dos pés.

Daniel Defoe, The History of the Devil

Os vadios apresentam...

XI Noite da Chalupa!
Uma noite domingueira, que surgiu de um encontro de palavras equivocado entre a famosa cachupa de Cabo Verde e a imaginação naive de uma vadia ao sabor do acaso.
Assim nasceu esta ideia, este espaço que se pretende que seja aberto à criação, à possibilidade de ir humanamente para além das formalidades conceituais esperadas (ai, que sono...) de uma tradicional noite de poesia.
E porque com a chalupa pensamos em comer (mesmo com a palavra do avesso) também haverá sempre uma delícia à fruição - feita pelos vadios, claro! Todos sabemos que o espírito funciona melhor depois de satisfeitos os prazeres da carne...
Este Domingo, 11 de Outubro, 17H30 no Gato Vadio (Rua do Rosário, 281)
Tema: O profano e... (porque não?) o sagrado


Em breve,

Contos das Tangas Lésbicas
Apresentação
Sábado, dia 17 de Outubro, 22h


Rota das Noites do Zeca – 80 anos de Zeca Afonso
Música e Poesia
Quinta-feira, dia 22 de Outubro, 22h
Org. AJA Norte, Gato Vadio, Império da Girafa

Sem comentários:

Enviar um comentário