Utopias Piratas, Peter Lamborn Wilson

Apresentação e debate

Com a presença de Miguel Mendonça e António Alves da Silva

Quinta-feira, 2 de Abril, às 22h

Gato Vadio


Peter Lamborn Wilson, (também conhecido pelo pseudónimo literário Hakim Bey) é o autor da fleumática obra TAZ (Zona Temporária Autónoma) onde incita à criação de espaços livres e plenamente autónomos que escapem à lógica das entidades hierarquizadas e opressivas que regulam as sociedades actuais.





Investigador, ensaísta e poeta norte-americano com vasta obra editada, escreveu «Sacred Drift: Essays on The Margins of Islam», na City Lights e «Scandal: in Islamic Heresy», Autonomedia.

Utopias Piratas (Pirate Utopias: Moorish Corsairs & European Renegadoes, 1995), obra editada pela Deriva e traduzida por Miguel Mendonça, é um estudo histórico e filosófico sobre a pirataria moura do século XVII e o papel muito particular da República de Salé. Corsários, sufis, pederastas, mulheres mouras «irresistíveis», escravos, aventureiros, rebeldes irlandeses, judeus hereges, espiões britânicos, heróis populares da classe trabalhadora e até um pirata mouro em Nova Iorque, emprestam a este livro um ambiente livre constituído por comunidades insurrectas nunca verdadeiramente dominadas e portadoras de uma praxis de resistência social que abalou seriamente os estados europeus.

«O islamismo, no fim de contas, é o mais recente dos três monoteísmos ocidentais, e contém por isso a sua dose de crítica revolucionária do judaísmo e do cristianismo. A apostasia de um autoproclamado Messias ou de um pobre e anónimo marinheiro seria invariavelmente vista, nesta perspectiva, como um acto de revolta. O islão, em certa medida, foi a Internacional do século XVII – e Salé talvez o seu único e verdadeiro “Soviete”. À primeira vista, Salé aparenta ser um lugar ímpio, um ninho de piratas ateístas e violentos – mas assim que observamos e escutamos com mais atenção, quase podemos ouvir o eco das suas vozes distantes, recortadas em apaixonados debates e exaltadas oratórias. Os textos perderam-se ou talvez nunca tenham existido; era uma cultura oral, uma cultura auditiva… é difícil discernir os seus últimos murmúrios… mas não totalmente impossível!». Peter Lamborn Wilson

Convidamos os piratas e os vadios, integrados e desintegrados, a avivar a conversa!

Sem comentários:

Enviar um comentário