poema


18
Suponho que me encontrasses numa inexplicável atmosfera
de frio. Terias sete mil cabelos a guardar-te a beleza, e um
cavalo sempre pronto.

Então, agarrados à crina do desejo, percorreríamos toda a
terra guiados apenas pelo movimento, o livro, a fome.

Ah agora que te cortaste, não estanques a ferida. Deita-te, não
penses no que te vai acontecer.

Vasco Gato, in A Prisão e Paixão de Egon Schiele, & ETC, 2005

Sem comentários:

Enviar um comentário